ESPORTES

Cuiabá procura Tiago Nunes para assumir projeto ambicioso na Série A do Brasileiro

O clube mato-grossense tem planos para se manter na elite do Brasileirão e quer ex-técnico do Corinthians para substituir Allan Aal, que foi desligado nesta segunda-feira.

Publicados

em

Antes mesmo do anúncio oficial da saída de Allan Aal, o Cuiabá já havia iniciado as conversas com Tiago Nunes, ex-técnico do Corinthians. O contrato com Allan terminou dia 31 de janeiro e o acordo da não renovação já estava definido. A diretoria do clube mato-grossense quer um nome de peso para montar um projeto consistente na Série A do Campeonato Brasileiro.

ge confirmou a informação e a negociação com o Cuiabá está em andamento. Tiago inclusive se interessou em saber mais sobre a cidade e da estrutura do clube.

Mesmo com o acesso sob o comando de Allan Aal, o clube decidiu que o melhor caminho seria contratar um técnico mais experiente e com trabalhos na Série A. Por isso, o técnico cumpriu o seu contrato até o fim e nesta segunda-feira foi confirmada oficialmente a sua saída.

Tiago Nunes tem história em Mato Grosso. Em 2010, assumiu o Luverdense como técnico. Um ano antes, no primeiro título mato-grossense do time de Lucas do Rio Verde, ele era preparador físico da comissão técnica comandada por Tarcísio Pugliese.

Leia Também:  STF forma maioria para permitir compra de vacinas por estados e municípios

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CIDADES

Enfermeiros pedem lockdown e construção de hospitais de campanha após aumento de casos de Covid-19 em MT

Sindicato sugere parceria com a iniciativa privada para a construção de leitos de UTI e evitar a sobrecarga dos poucos disponíveis no sistema de saúde público.

Publicados

em

Sindicato sugere decretar lockdown para evitar aumento de casos de Covid-19 em MT — Foto: Prefeitura de Cuiabá/Divulgação

O Sindicato dos Profissionais de Enfermagem de Mato Grosso (Sinpen-MT) encaminhou um ofício à Procuradoria Geral do Estado, nessa quinta-feira (25), pedindo a decretação do lockdown em todo o estado ou, pelo menos, nos municípios que estejam classificados com risco alto na Taxa de Crescimento da Contaminação (TCC), que são Cuiabá, Rondonópolis, Várzea Grande, Primavera do Leste, Sinop, Nova Xavantina, Sorriso, Barra do Garças, Poconé, Cáceres, Pontes e Lacerda e Nova Mutum.

A categoria também pede a construção de hospitais de campanha ou adaptação de estabelecimentos para disponibilização de novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Cuiabá, Várzea Grande e nas demais cidades-polo do interior do estado.

O sindicato ainda sugere fazer parceria com a iniciativa privada para mais leitos de UTI e evitar a sobrecarga dos poucos disponíveis no sistema de saúde público.

A justificativa apresentada no ofício é o aumento no número de casos e mortes por causa da doença no estado, principalmente, neste mês.

“Esse cenário tende a piorar ainda mais, a ponto de se cogitar que venha a ultrapassar os limites da dita ‘primeira onda da Covid-19’, em razão da confirmação de caso da variante inglesa do vírus”, ressalta.

A alta em mortes e casos da doença, em Mato Grosso, segue pelo segundo mês consecutivo.

Entre dezembro de 2020 e janeiro deste ano, foram registradas 558 mortes. Já entre janeiro e fevereiro foram 754. Isso resultou em um aumento de 35,1%.

De acordo com o sindicato, mesmo após a experiência vivida no ano passado, não houveram esforços dos órgãos púbicos para estruturar a rede de saúde e se preparar para a segunda onda da pandemia que, pelos estudos científicos, era esperada, a exemplo da gripe espanhola que teve três ondas antes do vírus ser controlado.

“Mesmo com a dramática situação que se aproxima, não se identifica nenhuma medida mais efetiva para conter a propagação do vírus, mormente diante do franco funcionamento das atividades comerciais, da liberação irrestrita de festas, ainda que os prognósticos apontem para a necessidade imediata de recrudescimento das medidas de isolamento social, o que provocará nas próximas semanas o colapso do sistema de saúde, podendo levar a situação da saúde ao caos vivido no estado do Amazonas nos primeiros meses do ano”, explica.

Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso (SES-MT), no dia 25 de dezembro de 2020, o estado registrava 176 internações em UTIs públicas e 163 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação estava em 43,67% para UTIs adulto e em 19% para enfermarias adulto.

Um mês depois, em 25 de janeiro, haviam 272 internações em UTIs públicas e 298 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação estava em 67,67% para UTIs adulto e em 34% para enfermarias adulto.

Já nesta quinta-feira (25), há 370 internações em UTIs públicas e 343 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 83,90% para UTIs adulto e em 39% para enfermarias adulto.

13 municípios em alerta

 

Leia Também:  Vídeo mostra enfermeira aplicando seringa sem injetar vacina em idoso; assista

Treze municípios de Mato Grosso registram alta classificação de risco para o coronavírus. São eles: Cuiabá, Rondonópolis, Várzea Grande, Primavera do Leste, Sinop, Nova Xavantina, Sorriso, Barra do Garças, Poconé, Cáceres, Pontes e Lacerda, Nova Mutum e Cotriguaçu.

O dado foi divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) nesta quinta-feira (25).

Leitos lotados

 

Em Mato Grosso, 90% dos hospitais estão com mais de 60% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) disponibilizadas pela rede pública a pacientes com Covid-19 ocupados. De 20 hospitais, apenas dois estão com a capacidade de leitos disponíveis abaixo da metade suportada.

Vacinas

 

A nova remessa com mais de 32 mil doses de vacinas contra o coronavírus (Covid-19), que Mato Grosso recebeu entre quarta (24) e quinta-feira (25), deverá ser encaminhada aos municípios a partir de segunda-feira (1º).

O secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, afirmou que as doses que o estado recebeu até agora são insuficientes para atingir a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde.

O plano inicial estima vacinar 25% da população de Mato Grosso até o fim da campanha. O número total de vacinados até agora no estado representa pouco mais de 2% da população mato-grossense, que é de 3,5 milhões de pessoas

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA