• Ultranacional a Amarelinha

'DEUS ME DEU EM DOBRO'

Psicóloga vende moto para custear cirurgia da mãe e ganha nova moto em sorteio de igreja em Sinop: ‘Deus me deu em dobro’

“Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor,o teu Deus, te dá. Eu o faria quantas vezes fosse preciso por ti mãe Marli Pandolfo. Esse milagre é seu!”, escreveu em homenagem à mãe.

Publicados

em

Alana Pandolfo recebeu prêmio — Foto: Arquivo Pessoal

Por G1 MT

A psicóloga Alana Pandolfo, de 24 anos, que mora em Sinop, a 503 km de Cuiabá, ganhou no último domingo (6) uma moto na promoção “Ligado na Catedral”.

Alana conta que na última semana precisou vender a moto que tinha para custear uma cirurgia que a mãe precisa ser submetida.

“Eu gostaria de falar que estou muito feliz, Na última semana eu vendi minha moto para poder pagar uma cirurgia para minha mãe, e Deus acabou dando, muito rápido, em dobro. Eu acho que quando a gente faz o bem, ele retorna para nós e de um jeito muito maravilhoso. Estou muito feliz”, disse ela, nas redes sociais.

Junior Confecções

Por fim, Alana postou um versículo da Bíblia comemorando a conquista.

“Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor,o teu Deus, te dá. Eu o faria quantas vezes fosse preciso por ti mãe Marli Pandolfo. Esse milagre é seu!”, escreveu em homenagem à mãe.

A jovem, que pertence à comunidade Nossa Senhora de Fátima, pagou R$ 50 para participar do sorteio.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Deputados aprovam projeto para "acabar" com uso de narguilé em MT
Propaganda

CIDADES

PONTES E LACERDA: Tribunal condena JBS por acidente que deixou motorista boiadeiro cego de um olho

Publicados

em

Reprodução/Foto: TRT23

O Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT) manteve a condenação da JBS por acidente de trabalho que deixou um motorista boiadeiro cego de um olho. A empresa deverá pagar R$ 40 mil de danos morais e estéticos ao trabalhador, além de arcar com custos médicos e de pensão mensal à vítima.

O acidente ocorreu em 2017, no município de Pontes e Lacerda. O trabalhador teve um dos olhos ferido pelo cano de uma vara de choque utilizada para conduzir bois para dentro da carroceria do caminhão, após um dos animais dar um coice na ferramenta. Como acabou perdendo a visão do olho atingido, não pode mais exercer a atividade profissional de motorista.

A empresa foi condenada em primeira instância e recorreu ao TRT. O caso foi julgado pela 2ª Turma do Tribunal. Entre outros pontos, a JBS sustentou que o acidente se deu por culpa exclusiva do próprio motorista, que agiu com negligência e imprudência na hora de usar o cano de choque. Mas esse argumento acabou não sendo provado.

Além disso, a 2ª Turma do TRT reconheceu que a atividade desempenhada pelo trabalhador era de risco. Nessas situações, a empresa tem o dever de indenizar o ex-empregado mesmo que não tenha culpa pelo acidente.

Conforme destacou a relatora do processo no Tribunal, desembargadora Beatriz Theodoro, além de motorista, o trabalhador atuava também como boiadeiro, fazendo o acondicionamento de carga viva (bovinos) nas gaiolas do caminhão, nos carregamentos e descarregamentos. “Neste contexto, sem dúvidas o empregado estava sujeito a risco superior àquele a que se submete a coletividade de empregados, na medida em que lidava com animais cuja reação é imprevisível”.

Junior Confecções

O dever da JBS de indenizar foi decidido com base no artigo 936 do Código Civil. O texto da lei estabelece que o dono de animal responde pelos danos em incidentes, se não ficar provada a culpa da vítima ou motivo força maior. “É que nestas hipóteses, ainda que o animal esteja sendo manipulado por empregado experiente, cabe ao seu dono (o empregador) responder por sua reação instintiva e inesperada, inerentes a sua condição irracional, que cause prejuízos a outrem”, explicou a relatora.

Além do dever de indenizar o trabalhador pela perda da visão de um dos olhos, a empresa também foi condenada a compensar os danos morais após o motorista entrar em depressão. Isso porque a relação entre a doença e o acidente ficou provada em perícia feita por médico ouvido pela justiça.

Inicialmente, a JBS deveria pagar R$ 100 mil a título de danos morais e R$ 20 mil de danos estéticos. Mas os valores foram reduzidos pelo TRT para R$ 30 mil e R$ 10 mil reais, respectivamente. A modificação seguiu decisões semelhantes proferidas anteriormente pelo Tribunal e também levando em consideração a atitude da empresa, que prestou socorro imediato e amparou financeiramente o trabalhador.

A JBS ainda irá arcar com o pagamento de indenização pelos danos materiais, entre eles, gastos médicos com medicamentos e tratamento para o olho lesionado e pensão mensal, que deverá ser paga ao trabalhador até quando completar 76 anos. Como a incapacidade para a função que o motorista exercia foi total, o valor da pensão será equivalente à remuneração que recebia à época do acidente.

Fonte: Olhar Direto

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Municípios de MT têm dificuldade para usar toda a dose da vacina contra a Covid-19 e alguns jogam fora
Continue lendo

CIDADES

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA