• Drogaria Econômica

VEJA LISTA DE GANHADORES

Moradores de Comodoro e de mais 4 municípios faturam 50 mil no Nota MT

Outros 996 consumidores ganharam prêmios de R$ 500 cada. Quatro deles foram premiados duas vezes.

Publicados

em

Reprodução

A interiorização dos prêmios foi a marca principal no sorteio mensal de maio do Programa Nota MT, realizado nesta quinta-feira (10.06). Dos cinco sorteados com o prêmio maior, no valor de R$ 10 mil, quatro são de cidades do interior. Outros 996 consumidores ganharam prêmios de R$ 500 cada. Quatro deles foram premiados duas vezes.

Os ganhadores do prêmio de R$ 10 mil são: Geraldo Apóstolo de Sena (Comodoro), Luciana da Costa Santos (Sorriso), Neil Eli Mascarello (Sinop) e Rodrigo Prestes dos Santos (Nova Mutum). Cuiabá teve uma ganhadora: Claudiane de Almeida Firmino. As APAES de Comodoro, Sinop e Sorriso, além do Hospital do Câncer de Cuiabá e Associação de Proteção aos Animais de Nova Mutum foram as entidades sociais indicadas pelos ganhadores. Elas receberão R$ 2 mil cada uma, o que corresponde a 20% do prêmio de R$ 10 mil.

O sorteio mensal de maio premiou consumidores de 67 municípios mato-grossenses, um de Santa Rita do Araguaia (GO) e outro de Santa Maria (RS). As cidades com maior número de ganhadores foram Cuiabá (369), Várzea Grande (88), Sinop (71) Rondonópolis (62). Tangará da Serra e Cáceres tiveram 50 ganhadores cada uma.

O secretário adjunto da Receita Pública, Fábio Pimenta, que coordenou o sorteio desta quinta-feira destacou a participação dos municípios do interior no Programa Nota MT.

Polo Conveniência

“O programa atinge todo Estado de Mato Grosso. Nós já temos cidadãos de praticamente todos os municípios já contemplados. Desde agosto de 2019 já foram mais de 20 mil contribuintes contemplados e mais de 11 milhões de reais em prêmios distribuídos”, destacou Fábio Pimenta.

ESPECIAL DE SÃO JOÃO

No dia 24 de junho a Sefaz vai realizar o segundo sorteio especial do Nota MT de 2021, o especial de São João. Nele serãodistribuidos cinco prêmios de R$ 50 mil.

Estarão concorrendo às premiações 331.006 consumidores que fizeram compras entres os dias 01 de março e 31 de maio de 2021 e pediram o CPF na nota. Ao todo foram gerados 5.300.905 de bilhetes eletrônicos. 

CLIQUE AQUI E CONFIRA LISTA

Fonte: Repórter MT

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Governador veta proposta que revoga taxação de ICMS sobre energia solar em MT
Propaganda

CIDADES

PONTES E LACERDA: Tribunal condena JBS por acidente que deixou motorista boiadeiro cego de um olho

Publicados

em

Reprodução/Foto: TRT23

O Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT) manteve a condenação da JBS por acidente de trabalho que deixou um motorista boiadeiro cego de um olho. A empresa deverá pagar R$ 40 mil de danos morais e estéticos ao trabalhador, além de arcar com custos médicos e de pensão mensal à vítima.

O acidente ocorreu em 2017, no município de Pontes e Lacerda. O trabalhador teve um dos olhos ferido pelo cano de uma vara de choque utilizada para conduzir bois para dentro da carroceria do caminhão, após um dos animais dar um coice na ferramenta. Como acabou perdendo a visão do olho atingido, não pode mais exercer a atividade profissional de motorista.

A empresa foi condenada em primeira instância e recorreu ao TRT. O caso foi julgado pela 2ª Turma do Tribunal. Entre outros pontos, a JBS sustentou que o acidente se deu por culpa exclusiva do próprio motorista, que agiu com negligência e imprudência na hora de usar o cano de choque. Mas esse argumento acabou não sendo provado.

Além disso, a 2ª Turma do TRT reconheceu que a atividade desempenhada pelo trabalhador era de risco. Nessas situações, a empresa tem o dever de indenizar o ex-empregado mesmo que não tenha culpa pelo acidente.

Conforme destacou a relatora do processo no Tribunal, desembargadora Beatriz Theodoro, além de motorista, o trabalhador atuava também como boiadeiro, fazendo o acondicionamento de carga viva (bovinos) nas gaiolas do caminhão, nos carregamentos e descarregamentos. “Neste contexto, sem dúvidas o empregado estava sujeito a risco superior àquele a que se submete a coletividade de empregados, na medida em que lidava com animais cuja reação é imprevisível”.

Junior Confecções

O dever da JBS de indenizar foi decidido com base no artigo 936 do Código Civil. O texto da lei estabelece que o dono de animal responde pelos danos em incidentes, se não ficar provada a culpa da vítima ou motivo força maior. “É que nestas hipóteses, ainda que o animal esteja sendo manipulado por empregado experiente, cabe ao seu dono (o empregador) responder por sua reação instintiva e inesperada, inerentes a sua condição irracional, que cause prejuízos a outrem”, explicou a relatora.

Além do dever de indenizar o trabalhador pela perda da visão de um dos olhos, a empresa também foi condenada a compensar os danos morais após o motorista entrar em depressão. Isso porque a relação entre a doença e o acidente ficou provada em perícia feita por médico ouvido pela justiça.

Inicialmente, a JBS deveria pagar R$ 100 mil a título de danos morais e R$ 20 mil de danos estéticos. Mas os valores foram reduzidos pelo TRT para R$ 30 mil e R$ 10 mil reais, respectivamente. A modificação seguiu decisões semelhantes proferidas anteriormente pelo Tribunal e também levando em consideração a atitude da empresa, que prestou socorro imediato e amparou financeiramente o trabalhador.

A JBS ainda irá arcar com o pagamento de indenização pelos danos materiais, entre eles, gastos médicos com medicamentos e tratamento para o olho lesionado e pensão mensal, que deverá ser paga ao trabalhador até quando completar 76 anos. Como a incapacidade para a função que o motorista exercia foi total, o valor da pensão será equivalente à remuneração que recebia à época do acidente.

Fonte: Olhar Direto

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Polícia Civil e Judiciário lançam ferramentas para quebrar o ciclo da violência doméstica
Continue lendo

CIDADES

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA